resep masakan

Educadores Ambientais cumprem jornada de estudos e práticas na UFOP

No último dia 8, a Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP encerrou a jornada de cinco dias de capacitação e nivelamento. Realizado no campus da Universidade, o I Encontro Presencial do Processo Formativo em Educação Ambiental para Escolas Sustentáveis COM-VIDA 2015 teve a participação de mais de 100 professores/tutores e cursistas de vários estados do País. Dois cursos de Educação Ambiental, dedicados à formação de professores e da comunidade escolar, propostos e supervisionados pelo MEC através da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (CEGEA-SECADI) , e financiados pelo FNDE, integram o processo formativo da UFOP.

O processo de imersão foi coordenado pela professora Dulce Maria Pereira, realizado pelo Centro de Educação Aberta e a Distância-CEAD e pelo Departamento de Engenharia de Produção, Administração e Economia- DEPRO da Universidade. Estruturado em parceria com o Professor Herman Oliveira, da Universidade Federal do Mato Grosso e professor do Curso Escolas Sustentáveis da UFOP, o Encontro foi desenhado com uma programação diversa, onde professores orientadores desenvolveram com os grupos de participantes dos diversos municípios, atividades em oficinas, mesas redondas, palestras, reuniões, assim como tarefas lúdicas. A equipe de coordenação do curso, integrada também pelas professoras Luana Mendes Barros, Tatiana Gomes Ferreira e Tatiane Pereira de Souza, seguiu um conjunto de metodologias pedagógicas para abordar conceitos, práticas e estruturas que potencializassem as vivências dos professores, que viram dos seguintes estados: Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Espírito Santo, São Paulo e Pará, além de diversos municípios de Minas Gerais.

As atividades fazem parte da grade curricular obrigatória para os professores/tutores que trabalham junto aos cursistas UFOP, nos cursos de Extensão e Especialização em Educação Ambiental, na modalidade semipresencial, ofertados pela UFOP e que têm o objetivo principal de aprimorar a atuação desses educadores, através do conhecimento adquirido e também construído; de esclarecer dúvidas e apreender através da convivência com a diversidade das vivências de educadores que trabalham em diferentes territórios das várias regiões do Brasil.

A participação de professores da UFOP como Marger Viana, Fernando ABeCe, Gilberto Fernandes e Jorge Brescia enriqueceram a jornada que, além de todo o conteúdo produzido, espaço de reunião da Rede Educação Ambiental para Escolas Sustentáveis - REAPES, a mais nova ferramenta de integração e informação no campo da Educação Ambiental, planejada, executada e gerida pelo tutor integrante da equipe CEAD-DEPRO, Carlos Castello Branco - Calico, com vasta experiência na gestão de Redes, que também representou a Rede Brasileira de Agendas 21 Locais - REBAL.

Na avaliação da professora Dulce Maria Pereira, coordenadora do Processo Formativo em Educação Ambiental da UFOP, todo o conteúdo estudado, as práticas e as iniciativas avaliadas vão conduzir ao maior diálogo inter-regional e a aprimoramento na relação entre professores, tutores e cursistas com também também servir para consolidação ainda maior da Educação Ambiental e do ensino a distância em nosso País. “Vivemos tempos de relevantes impactos socioambientais. Nós da UFOP, através das metodologias pedagógicas aplicadas, da expansão das ciências ambientais e do desenvolvimento das ecotécnologias, vimos cumprindo nosso papel com responsabilidade, sobretudo no concernente a impulsionar e conceituar uma educação ambiental pós-crítica. O I Encontro Presencial é um passo no contexto dessa proposta. Tem a função prática de nivelar os conhecimentos e a aplicação das metodologias dos cursos para as turma de extensão e especialização; consolidar a formação de professores e tutores; desenvolver os conceitos de educação ambiental pós-crítica, e de tratar temas vitais como segurança alimentar, compras sustentáveis, preservação e renaturalização do meio natural,com ênfase nas águas, focando no cuidado com as pessoas e seus processos nos territórios. Com isso intervimos na vida real e trabalhamos pelas transformações esperadas no nosso território, enraizando as políticas públicas de educação ambiental. Foi uma mobilização para fazer avançar as condições objetivas para tornar a escola um espaço educador sustentável", pondera a professora.

Fonte: Márcia Leivas (tutora enraizadora)